A vocação é um dom pessoal

A vocação é um dom pessoal

A vocação é um dom pessoal.

A vocação é um dom totalmente pessoal, que deve estar relacionada com o papel que temos que desempenhar no mundo. Portanto, deve estar integrada e em sintonia com o que a pessoa é, em seu íntimo e no mais profundo do ser, mas também devemos estar sintonizados com o que o mundo “aguarda” de cada um de nós.
Estar em harmonia com o mundo, à sua maneira, é manifestar sua vocação.

A vocação nasce de dentro do ser e está conectada com a harmonia do mundo. Por isso, devemos aprender sobre a harmonia e apreciá-la, pois com ela devemos contribuir e interagir. Tem a ver com o que está fora, mas também tem a ver com o papel que exercemos no mundo; e isso vem de dentro de cada um.

De alguma forma, nossa ‘vocação’ está gravada em nossas consciências e nos lembra de nosso compromisso para com o mundo.

Perceber a harmonia tem a ver com ultrapassar as camadas superficiais dos quadros que a vida nos apresenta, inclusive de certos papeis que desempenhamos de maneira ‘desconectada’ de nossos reais propósitos. Sentir a essência que existe por detrás do que é aparente é a chave para nos harmonizarmos com o mundo. Sejam camadas de dor ou tristeza, de bem-estar ou alegria, de satisfação ou frustração; devemos procurar fazer essa sintonia, com sentimentos de serenidade e amor, desapego e solidariedade. Ao sentir a verdadeira essência que existe nas várias manifestações com que nos defrontamos, de alguma forma evocamos o aflorar de nossa vocação e, naturalmente, agiremos da melhor maneira que nos seja possível.

O caminho pode parecer lento e longo, mas a jornada começa com o primeiro passo, e continua passo após passo – devemos estar conscientes disso. Se é um primeiro ou décimo ou milésimo passo, não importa; cada um tem sua jornada pessoal e intransferível a percorrer.

Como disse certa vez o grande espiritualista brasileiro Francisco Cândido Xavier, “Não podemos voltar atrás e fazer um novo começo. Mas podemos começar agora e fazer um novo fim“.

Essa frase contém uma chave que pode mostrar soluções a problemas que, aparentemente, pareciam insolúveis. Relacionei a frase a uma ‘chave’ porque temos que acioná-la para que aconteça.

Texto reflexivo de Herbert Santos Silva
Site Intuicao.com
Imagem: pixabay